A quem interessa a exclusão?

By Patrícia Almeida (*)

Porque há tanta resistência das Apaes e Pestalozzis à inclusão escolar?

A Federação Nacional das Apaes (Fenapaes) vem promovendo uma campanha contra a inclusão, tentando impedir a homologação de resolução do Conselho Nacional de Educação (CNE) – aprovada por unanimidade – que regulamenta o atendimento educacional especializado, o que garantirá o ingresso e permanência de alunos com deficiência na escola comum.Há 15 anos, a Declaração de Salamanca adotada pelo Brasil durante a Conferência Mundial sobre Educação Especial da UNESCO, já determinava explicitamente a inclusão de estudantes com deficiência no sistema educacional geral. A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, adotada pela ONU e internalizada pelo Brasil com valor constitucional no ano passado, veio sedimentar o direito de todos à educação inclusiva.

O MEC, através da Secretaria de Ensino Especial(SEESP), nada mais faz  do que cumprir a lei. E com muita responsabilidade, destinando aos municípios o dobro do valor pago por aluno no caso de estudantes com deficiência, para que as escolas possam se preparar para recebê-los, e capacitando professores.

A disputa que assistimos é ideológica, e também financeira. Os que defendem a inclusão enxergam todos os seres humanos com o mesmo valor, detentores dos mesmos direitos e acreditam que todos devem ter oportunidades iguais, com o apoio que se fizer necessário. Os que defendem a exclusão acham que pessoas com deficiência são seres excepcionais, que devem ser mantidos alijados, segregados e protegidos da comunidade “para seu próprio bem”.

Pela resolução do CNE as escolas especiais que funcionam dentro de instituições se transformariam em centros de atendimento especializados, caso as instituições mantenedoras das escolas especiais pretendam continuar recebendo recursos financeiros do MEC/SEESP. Assim, todo aluno seria matriculado na escola regular, e as instituições como Apaes e Pestalozzis, entre outras, dariam o suporte necessário à inclusão de cada estudante, continuando a receber por isso.

A Federação das Apaes alega que a escola comum já é ruim, e que não está preparada para receber estes alunos. Este discurso é próprio de quem quer deixar as coisas como estão, e não arregaçar as mangas e trabalhar para mudar o que está errado.

Enquanto isso, algumas Apaes, numa atitude pro-ativa e verdadeiramente construtiva, visando o bem-estar de seus clientes, já apóiam a inclusão e dão suporte aos alunos que estão matriculados na rede regular de ensino. É o caso das unidades de São Paulo, Limeira, Santos, em SP, Contagem, MG, Fortaleza, CE, várias em Santa Catarina e Mato Grosso, para citar apenas algumas.

Para entender melhor esta questão, é necessário analisar o movimento Apaeano. A Apae – Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais – nasceu em 1954 no Rio de Janeiro, fundada por pais que não conseguiam um lugar para atender e educar seus filhos. De lá para cá, a rede cresceu e se capilarizou, estando presente em mais de 2 mil municípios de todo país. Para se manter, as Apaes – que são independentes, mas estão congregadas a federações estaduais e a federal Fenapaes, que tem como presidente o deputado federal por Minas Gerais Eduardo Barbosa – recebem recursos públicos e privados.

Infelizmente, a forma de repasse de verbas – por aluno matriculado – não favorece a inclusão. Dessa maneira, os dirigentes querem manter o maior número possível de pessoas dentro da instituição, não interessando que o cidadão aprenda, e se torne autônomo. Já houve quem dissesse que instituições como essas deveriam construir um cemitério nos fundos, uma vez que a pessoa lá entra para só sair morto.

Não conheço um só pai ou mãe que queira isso para seus filhos. Certamente não é o que eu quero para nenhuma de minhas filhas, com ou sem deficiência, nem para nenhuma criança, jovem ou adulto no mundo.

Acho que seria muito saudável e transparente, que todas as instituições abrissem suas contas, mostrando os recursos que recebem, e de quem os recebe, para que seus usuários possam decidir aonde querem aplicá-los.

Como mãe e militante dos direitos das pessoas com deficiência, defendo a homologação da resolução do CNE, na perspectiva de uma escola formadora de cidadãos, onde todos aprendam juntos e construam um Brasil moderno, justo, igualitário, sem preconceitos, nem guetos  assistencialistas, onde as pessoas possam ser protagonistas de sua própria história, sem necessidade de serem tuteladas.

(*) Patricia Almeida

Criadora e Coordenadora da Inclusive – Agência para Promoção da Inclusão
http://agenciainclusive.wordpress.com/

Moderadora do Grupo Síndrome de Down
http://br.groups.yahoo.com/group/sindromededown/

Coordenadora Estratégica do Instituto MetaSocial
http://www.metasocial.org.br/

Campanha Ser Diferente é Normal
http://www.serdiferenteenormal.org.br/

http://agenciainclusive.wordpress.com/2009/07/27/a-quem-interessa-a-exclusao/

2 Respostas to “A quem interessa a exclusão?”

  1. Denis Santos Says:

    Cara Patrícia:

    Eu sou pai de uma menina com o mesmo nome seu, e que é portadora de deficiência mental leve. Vim de Pernambuco para o Paraná, e só aqui encontrei uma escola especial para minha filha, que desde os dois anos de idade estuda em escolas regulares. Hoje ela está com treze anos, e durante todo este tempo, ela nunca teve um atendimento adequado às suas necessidades. Ela não sabe ler, reconhece apenas as vogais e conta até dez. Nas escolas onde ela estudava tinham de 25 a 30 alunos por sala, e apenas um professor, e eventualmente tinham dois, sendo um deles um estagiário. Na escola especial da APAE ela fica em uma sala com no máximo 12 alunos, e com duas pessoas para auxiliá-los no aprendizado. Além disso, o ensino é focado em suas necessidades, e respeitando o seu ritmo. Minha filha hoje sente-se muito à vontade nesta escola, coisa que não acontecia nas escolas regulares. Este sentimento de rejeição por parte dos alunos e até dos professores aconteciam em todos os tipos de escolas: particulares, municipais e estaduais, pois tentamos todos os tipos de escola em Pernambuco, sem obtermos sucesso. Aqui em Curitiba também não foi diferente, na escola municipal onde ela estudava ela se sentia inferior aos outros alunos, e as professoras não tinham nenhum preparo para lidar com ela.
    Antes de iniciar a inclusão, deve-se fazer um trabalho mais forte com as escolas para capacitar os seus professores, e, depois de serem avaliadas, as escolas seriam indicadas para receberem alunos com necessidades especias. O que me faz te perguntar: Se os nossos filhos são chamados de “portadores de necessidades especiais”, por que eles não têm direito à “educação especial”? Esta não é uma necessidade deles?

    Curtir

  2. Bom dia a todos,

    Meu nome é Mariana e tenho uma menina com 14 anos com deficiência mental. Somos do Recife e foi uma luta em relação as escolas. A grande maioria não aceita e as poucas que aceitam não estão preparadas. Quando a minha filha fez 10 anos mudamos para Portugal. Em Portugal fui orientada a recorrer a escola pública. Minha filha tem um currículo adaptado e com a turma regular assiste a apenas algumas aulas como música, educação física, área de projecto, formação cívica e numa sala com professores especializados em ensino especial tem as aulas de português e matemática funcional, estudo do meio, informática e actividades da vida diária. Tudo isso dentro da própria escola regular. Ela agora vai fazer 15 anos e a assistente social que acompanha o desenvolvimento da minha filha disse que no próximo ano ela deveria passar para uma escola profissionalizante para crianças com necessidades especiais. Eu tenho o direito de escolha mas disse que é importante pois em pouco tempo ela já não vai mais poder estar na escola e temos que abrir outros caminhos.
    Quando uma pessoa com deficiência é enviada para trabalhar numa empresa ela é acompanhada e orientada por um “professor” do Estado que vai dar formação na própria empresa e orientar as pessoas que vão trabalhar directamente com o deficiente e o Estado paga 30% do salário.
    As coisas realmente parecem mais fáceis mas nem tudo são flores temos mesmo que nós mexer muito para que nossos filhos tenham um lugar ao sol e por muitas vezes o processo é longo, lento e dolorido. São tantas as incertezas. Hoje pela manhã chorei, as vezes é complicado separar o racional do emocional.
    Vamos em frente e desejo a todos os pais especiais muita força para conseguir um espaço digno para os seus filhos.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: